Ponte Preta em crise: Grupo de conselheiros exige a renúncia do Presidente Eberlin

Texto: Thiago Barbalho - Foto: Diego Almeida/ PontePress

Publicados 9 meses atrás em 7 de novembro de 2023
Por: Thiago Barbalho

Em um revés surpreendente para a atual administração da Associação Atlética Ponte Preta, uma parcela significativa dos conselheiros eleitos pela chapa Movimento Renascer Pontepretano (MRP) – responsável pela vitória nas eleições do clube – declarou abertamente um racha no apoio à gestão do presidente Marco Antonio Eberlin. Este grupo, representando quase metade dos 150 membros eleitos, pediu a renúncia imediata do mandatário através de uma carta aberta distribuída para a imprensa, na qual expressaram profunda insatisfação com o rumo tomado pelo presidente, citando uma crise financeira e o risco de rebaixamento do time.

O MRP, que surgiu como uma força de mudança prometendo renovar e profissionalizar a gestão do clube, assumiu o comando da Ponte Preta para o quadriênio 2022-2025, após uma vitória esmagadora contra a chapa DNA Pontepretano, que encerrou um domínio de 25 anos do grupo de Sérgio Carnielli. O movimento, no entanto, enfrenta agora desafios significativos após dois anos no poder, com alegações de “desmandos administrativos”, incluindo greve de jogadores e a precariedade das condições das categorias de base, levando ao despejo do CT em Jaguariúna por falta de pagamento.

A crise atinge seu ápice em uma semana particularmente difícil, com o time amargando uma sequência de dez jogos sem vitória na Série B e mergulhando na zona de rebaixamento. Além dos problemas esportivos, a diretoria batalha para cumprir compromissos financeiros com jogadores e comissão técnica, situação que levou a um silêncio protestante dos atletas.

Diante desse cenário, os conselheiros dissidentes sugerem a criação de um Comitê de Administração emergencial, aberto a pontepretanos do mercado, independente de inclinações políticas, com o objetivo de estabilizar e profissionalizar a gestão do clube. Enquanto isso, outra facção dentro do MRP ainda apoia Eberlin, reforçando a divisão interna e complexificando o quadro político do clube.

O grupo Tudo Pela Ponte Nada da Ponte (TPPNDP), um dos pilares fundadores do MRP, manifestou-se contrário ao pedido de renúncia, reiterando seu apoio a Eberlin e apontando a carta como uma possível violação do estatuto social do clube. Eles também questionam a legitimidade do grupo de conselheiros que pede a renúncia, acusando-os de perseguir interesses políticos em vez de priorizar a saúde fiscal e esportiva da Ponte Preta.

A situação na Ponte Preta evidencia a complexidade das gestões esportivas e o quão rapidamente o cenário político em um clube de futebol pode mudar. O que era uma chapa unida e determinada a reformar o clube há dois anos, hoje enfrenta divisões profundas e desafios que colocam em risco o futuro esportivo e financeiro da instituição.

**Nota Oficial dos Conselheiros do MRP:**
“Com o compromisso de resgatar a Ponte Preta das práticas ultrapassadas que prevaleceram por anos, nós, conselheiros eleitos pelo MRP, assumimos a tarefa de implementar uma gestão moderna e profissional. Contudo, a realidade desoladora que encontramos – uma ‘herança maldita’ de dívidas e problemas estruturais – exige agora mais do que jamais imaginamos. Em respeito à nossa torcida e ao estatuto do clube, clamamos por mudanças imediatas, que começam com a renúncia do presidente Eberlin e a instauração de um novo modelo de gestão, urgente e necessário para a sobrevivência da nossa querida Macaca.”

Fique por dentro das notícias! Siga nosso perfil no Instagram.

Receba notícias do TSP (Tudo Sobre Paulista) pelo WhatsApp.

Profetize os resultados do Ponte Preta no Brasileiro Série B Série B 2024!
Clique aqui, faça seu cadastro na Betnacional e use o código: TUDOSOBREPAULISTA.

P